LOADING

Já segue a gente?

Vindima da Góes 2017
fevereiro 13, 2017|Outras RegiõesSão Roque

Vindima da Góes 2017

Vindima da Góes 2017

Lembram quando falamos que iríamos na Vindima da Vinícola Góes? Pois é, nós fomos e foi demais!

Tudo começou com um lindo dia de domingo (7/2). Pé na estrada e taca lê pau sentido São Roque. Minutos depois e já estávamos no Roteiro do Vinho. Lá, caso não saibam, além de diversos restaurantes, há também dezenas de vinícolas.

Ao chegar na Góes, fomos recebidos por Karolinne, da equipe de marketing da marca. Seguimos até uma sala onde conhecemos Luciano e Flávio, outros membros da turma. Eles nos apresentaram toda a história da Góes e também da Vindima. Só que antes, e não menos importante, recebemos uma pulseira e um chapéu, caracterizando de vez, todos nós como verdadeiros colhedores de uva. Olha como a Juliana ficou bem na foto!

Colhe, minha filha, colhe

Ao sairmos da apresentação, caminhamos para o lado de fora do complexo onde estavam os trens que nos levariam aos campos de uva. Dois trens, carregados por tratores enormes. No fundo, músicas típicas tocavam deixando o clima cada vez mais agradável. A alegria era presente naquele lugar, em cada olhar e em cada passo era possível sentir. O dia estava lindo!

Acomodados no trem, a energia só ficava melhor. Era gostoso ver no rosto de cada um a ansiedade pelo que estava por vir. Motores prontos, chapéus ao alto e um aceno de ‘até breve’ nos permitiram partir. Parecia cena de filme italiano. Na verdade, lembrei do Titanic partindo e todos olhando.

Abordos do Trem da Alegria

Abordos do Trem da Alegria

Stop the train!

No curto espaço que percorremos dentro dos trens, todo um vilarejo nos olhou, gritou e acenou para nós. Coisa de cidade pequena, onde todos se conhecem. Adoro isso! Minutos mais tarde, chegamos aos campos de colheita. Lá já estava uma outra turma, que pegaram a primeira hora da Vindima. Enquanto nos foi explicado os tipos de uva ali plantadas e todos os trejeitos de lidar com elas, a outra turma ia deixando o espaço que no fim seria nosso: o local do almoço.

Papo vai, papo vêm e o negócio ficava cada vez mais divertido. Nos deram cestas e tesouras e nos mandaram para dentro dos campos. Naquele momento éramos parte integrante da Vinícola Góes. Quase funcionários. É claro que não teria como colher as uvas e não experimentar pelo menos um cacho inteiro. De acordo com Fábio Góes, enólogo e um dos guias, uvas que ficam expostas ao sol são mais doces. Eu que não sou bobo nem nada fui direto nelas. E não é que ele tinha toda a razão?

Uvas que tomam mais sol são mais doces

Uvas que tomam mais sol são mais doces

Juliana colhia, eu comia. Juliana comia, eu colhia.

De cesta cheia, saindo dos campos e de um sol que começava a incomodar, partimos para dentro da fábrica, onde de fato toda a mágica acontece.

Ali o negócio começou a ficar sério. Nada de barris e pessoas descalças pisando na uva, pelo contrário, uma fábrica completa, industrial, toda metalizada, como deve ser. Só que no fundo… Surpresa! Visitantes de mais idade arregalavam os olhos imaginando pisar em uvas e lá estavam os barris cheios delas. Eu e Juliana, um pouco mais caipiras nesse sentido, queríamos era apenas acompanhar as próximas cenas.

Cesta cheia de uvas doces colhidas por nós

Cesta cheia de uvas doces colhidas por nós

Dançarinos, caracterizados como portugueses (ou italianos), apostos dentro dos barris esperavam alguém apertar o play no rádio. Então o guia com um sorriso enorme começa a dizer que teríamos a chance de reviver as famosas pisas tradicionais e eu me segurei para não rir já imaginando a bagunça. Não podia perder.

Fado na caixa e lá vamos nós. Uma explosão de juventude se instalou naquele lugar. Senhoras e senhores adentravam aos barris como crianças. A música alta fazia com que todos balançassem seus corpos, até mesmo os mais tímidos. Eu, de longe, filmava tudo.

Pés descalços, bagaço, uvas, cascas, música, gargalhadas, danças, toalhas brancas e água limpa fecharam com chave de ouro esse momento. Ali percebi todo o sentido de participar de um evento como aquele. Mas ainda não era o fim.

Pisa

A tal da pisa fez um sucesso

Todos de pés limpos, fomos para uma sala ao lado, onde recebemos taças do refrescante Grape Cool. Ali, os guias fizeram um bonito discurso, agradecendo a presença de todos e nós, com taças pra cima, brindamos por dias de muita colheita e bons vinhos.

O próximo e último passo, um dos mais esperados, era o bendito pagamento por um dia de trabalho: o almoço, com todos os produtos da marca Góes disponíveis para consumo. Uma banda ao vivo fazia o lounge enquanto todos se deliciavam com bacalhau, alcachofras e muito mais.

Quando nada mais parecia nos impressionar, além de ganharmos as taças usadas no almoço, nossa volta para a sede da Góes se transformou em uma corrida de tratores. E claro, cada trem fazia de tudo para animar mais o trajeto. Por onde passávamos, todo mundo levantava de suas cadeiras. Gritos, música alta e alcachofras. Alcachofras? Pois é, acho que o vinho não fez bem para alguns.

Saúde

Um brinde ao sol que deixa nossas uvas cada vez mais doces e os vinhos deliciosos

Ao chegarmos nos portões da Vinícola, uma queima de fogos estourou no céu. Ao mesmo tempo, centenas de pessoas que passavam o dia naquele lugar que considero a Disney dos Amantes do Vinho acenavam para nós.

Obrigado Vinícola Góes, até 2018!

Assista ao vídeo!

Este slideshow necessita de JavaScript.

7 comments
Share

Júlio Frutuoso

Digo ser comunicador, afinal, o que é um jornalista senão isso? Também sou apaixonado por muitas outras coisas, como gastronomia, fotografia, e também pelo Palmeiras. Dedicado? Somente a Srta. Frutuoso.

7 comments

  • Ione
    fevereiro 14, 2017 at 9:38 am

    Parabéns ao Casal Granjeiro pela maestria com que fotografou, dissertou e filmou cada detalhe e, claro, parabéns a Vinícola Góes.

  • Paulo
    fevereiro 14, 2017 at 9:49 am

    Excelente dica! Gostei da ideia é um ótimo passeio de fim de semana. Pergunta pra quem tem mais Filho que caxo de uva, tem vinho sem álcool? Ou o próprio suco pras crianças?

    • fevereiro 14, 2017 at 10:20 am

      A uva, no caso, ou o cacho dela, é sem álcool hahahahaha… Mas fique tranquilo, pois além de vinhos a Góes faz sucos naturais da uva e também da maça.

  • Deise
    fevereiro 14, 2017 at 10:03 am

    Parabéns, muito legal

    • Juliana Frutuoso
      junho 7, 2017 at 2:10 pm

      Oi Tia Deise, muito obrigada 🙂

  • fevereiro 14, 2017 at 1:27 pm

    que delícia, deu muita vontade de conferir!

    • Juliana Frutuoso
      junho 7, 2017 at 2:10 pm

      Então Vá Carol!!!! É uma delícia!

  • Comments are closed.